Congo de Ouro

Capoeira e Percussão Romário Itacaré

Tenha em Mente que a percussão é uma das mais antigas formas de comunicação entre nós e nossos ancestrais
Aprenda RSS feed e encontre você mesmo! Prof Romário

Posts Tagged ‘Itacaré’

Mestre Jamaica

Mestre Jamaica – Tribo Unida

“Pedra e conchas, linda maré, lá na Bahia …Itacaré”..como canta o Mestre Jamaica!

Paulo Sérgio Batista, o Mestre Jamaica, nasceu em Salvador, ligado a capoeira desde jovem, e levado por amigos para o Sul da Bahia em 1991 seguiu para Itacaré em 1993 aonde começou a dar aulas de Capoeira no Clube, e em outros locais da cidade, foi graduado Mestre pelo saudoso Mestre Eziquiel de Salvador do Grupo Luanda. Em 1995 fundou seu próprio Grupo, O  Grupo Tribo Unida, desde então já formou muitos Mestres, Contra-Mestres e Professores a maioria deles espalhados pelo mundo dando aulas de capoeira.

Difícil falar do Mestre sem falar de todas as lembranças e a convivência com o Mestre Jamaica, em 1994 me mudei para Itacaré, e mesmo já sendo professor de Capoeira, passei a treinar com o Mestre, e com ele muito aprendi. Sua generosidade sempre se sobrepôs a sua rigidez com alunos, pois jamais cobrou em centavo de seus alunos, dando aulas gratuitamente por muitos e muitos anos. Ficando entre Ilhéus e Itacaré, e nas cidades vizinhas, vive até hoje envolvido plenamente com a Capoeira e o Surf, dando aulas nas lindas praias de Itacaré e região, há muito tempo atrás, Itacaré era habitada pelos índios Tupi, onde mais tarde os jesuítas trouxeram sua fé e suas construções ( como a igreja de São Miguel ) que, junto com os lindos casarões da época do cacau, do ouro e diamantes que pelo Rio Das Contas chegavam da  Chapada Diamantina.  Terra cheia de encantos e bucólica, devido aos seus antigos casarões, muito não se tinha para fazer nos anos 90, e uma forma de dar atividades aos jovens, e afasta-los do caminho errado, Mestre Jamaica ensinava a capoeira a maioria dos jovens daquela época que hoje muitos são Mestres, espalhados pelo mundo. Também ensina Maculelê, Samba de Roda, Puxada de Rede e etc… Mestre Jamaica, um dos mais respeitados Mestres do Sul da Bahia, foi lembrado diversas vezes pelo cantor vocalista e também Mestre de Capoeira Tonho Matéria, no Carnaval de 2018 em Itacaré na banda Araketu.  Disse ele no palco ” Eu sou capoeira, mas aqui em Itacaré e Região quem comanda é o querido MESTRE JAMAICA”, Prova de respeito e carinho ao Mestre.

Recentemente o Mestre Jamaica foi homenageado na Câmara de Vereadores de Itacaré, pelos seus mais de 20 anos ensinando a Capoeira para Crianças, Jovens e Adultos em Itacaré. Parabéns

Itacaré permaneceu um vilarejo de pescadores “escondido” ao mundo pela mata e o oceano. Surfistas durante os anos 60/70 vieram a redescobrir Itacaré, em uma época que não haviam estradas asfaltadas, e era muito difícil chegar a Itacaré de carro, ônibus ou moto. A partir daquela época, porém sobretudo desde o final dos anos ’90, viajantes do mundo inteiro passam por aqui e esse vilarejo do Sul da Bahia viria a se tornar um dos destinos mais disputados nos últimos anos.

Foto Abaixo da Esquerda para Direita Prof.Romário,Mestre Zequinha , Punk do Reggae,Mestre Morango, Don King (Valmir), Mestre Jamaica no cinema cultural anos 90

Mestre Jamaica

 

Jorge Rasta

Mestre de saberes populares, arte educador, mamulengueiro, coreógrafo, idealizador/fundador da Casa do Boneco de Itacaré , Antonio Jorge de Jesus, conhecido artisticamente como Jorge Rasta, que nasceu no bairro de Alagados, em Salvador e se profissionalizou graças à ação de uma associação de bairro a Associação de Moradores Livres da Mangueira de Massaranduba, que o inseriu no mundo da arte e da cultura..

A Casa do Boneco de itacaré tem sua origem fundamentada no trabalho voluntário
Com o ensejo desmultiplicar aquilo que havia aprendido, Jorge Rasta, em 1987, migrou para Itacaré, cuja formação étnica é resultado da miscigenação entre índios, negros e brancos, o que propiciou um imenso legado artístico cultural que com o passar do tempo ficou adormecido, graças a ação dos veículos de massa.
No ano de 1988, Jorge Rasta montou o primeiro grupo de capoeira e danças folclore[[oricas do município, desde então vem realizando diversas atividades artísticas e culturais com crianças e jovens da comunidade, o que resultou na criação da Associação de Educação Arte e Cultura Popular casa do Boneco de Itacaré.

A Casa do Boneco de Itacaré é uma associação sem fins lucrativos, que de4sde 1988 trabalha com a cultura a serviço da população afro indígena, historicamente excluída.
O seu trabalho alia identidade cultural à inclusão sócio econômica a partir de um trabalho de educação popular e capacitações profissionalizantes, combatendo a marginalização e a exploração sexual de jovens negros inseridos num contexto de turismo ” desenfreado e predatório” regional.
Atualmente, a Casa do Boneco funciona com atividades de segunda a sábado em todos os turnos (aulas de dança afro, percussão, teatro do oprimido, teatro de bonecos, arte circense, capoeira angola, shows, cursos de corte e costura, grupo de estudos afro e etc.
A Casa do Boneco

A Associação de Afro Desenvolvimento Casa do Boneco de Itacaré (CBI) é uma associação sem fins lucrativos, que desde 1988 trabalha com a cultura a serviço da população afro indígena, historicamente excluída. O trabalho alia identidade cultural à sustentabilidade socioeconômica a partir de uma educação afro popular, engajamento político e capacitações profissionalizantes, escambos, intercâmbios com organizações e mestres.

Como centro de desenvolvimento afro comunitário baseado na aprendizagem autossustentável, considerando, prioritariamente, princípios etno raciais, ecológicos, socioeconômicos, espirituais e culturais, a entidade busca alternativas que possam diminuir os impactos socioculturais gerados pela sociedade capitalista à população negra. A entidade tem a preocupação de gerar um processo educativo diferenciado, para capacitar, viabilizar a profissionalização, gerar renda a partir de empreendimento solidários e elevar a autoestima da população negra e afro-indígena. Empenha-se, também, em vivenciar, estudar e refletir os valores da cosmovisão africana e quilombola, capaz de conduzir um modelo de vida baseado na ancestralidade e na humanização das relações.

A Casa tem se articulado territorial, estadual e internacionalmente com intuito de trabalhar em rede numa estratégia de maior aprendizado, intercambio de práticas, escambos e melhor capacidade de governança.

Tornou-se um centro de referência afro participante da Rede Nacional de Turismo Solidário (Turisol); do Núcleo de Formação Continuada da Rede Nacional Mocambos; da Teia de Agroecologia dos Povos da Cabruca e da Mata Atlântica, representante em 2010 da Delegação brasileira nos Estados Unidos pela Agenda Bilateral de Promoção da Igualdade. A entidade desenvolve cinco programas:
• Educação Anti Racista – seminários, diálogos, estudos e pesquisas a respeito da lei 10.639 / promoção da educação para igualdade racial
• Cultura afro – atividades de dança afro, percussão, festas populares
• Apropriação Tecnológica – circuitos de aprendizados com diferentes tipos de tecnologias sociais (dentre elas as tecnologias da comunicação – blogs, jornais, rádios web)
• Sustentabilidade Comunitária – Implementação da Fazenda Modelo Quilombo Doiti e do Turismo Étnico de Base Comunitária
• Pontinho de Cultura / Ludicidade – programa de atenção à crianças negras
Visite nossa fan page: Casa do Boneco – Quilombo Doiti
email: casadobonecodeitacare@gmail.com